Mais Destinos em Rondônia Mais Destinos em Rondônia

+ Destinos






[favoritos]

Turismo em Rondônia

O Estado de Rondônia é um mosaico de diversas culturas, tal modo que ainda nenhum traço cultural prevalece sobre o outro, devido ao grande número de migrantes,

Rondônia

Rio Guaporé em Costa Margues

oriundos principalmente de São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná e Espírito Santo, além de outros países, como Bolívia, Líbano, Barbados e Japão.

Com uma economia baseada na exploração de borracha e de castanha-do-pará, foi chamado de “Guaporé” até 1956, quando passou a se denominar “Rondônia”. A descoberta de jazidas de cassiterita e a abertura de rodovias estimularam a sua economia e o seu povoamento, passando este Território à condição de Estado a partir de 1982. Guaporé, rio entre o Brasil e a Bolívia, vem do tupi wa “campo” e poré “catarata”, isto é, “cachoeira do campo, rio campestre”.

Com o objetivo de proteger a natureza e garantir a preservação ambiental de extensas áreas não habitadas, o governo federal passou a criar parques e reservas naturais na região Amazônica. O Parque Nacional de Pacaás Novos foi criado em 1979 e ocupa área nos municípios de Porto Velho, Guajará-Mirim, Ariquemes e Ji-Paraná. Com extensa área de plateau coberta por espessa vegetação de cerrado, nele se encontra a Chapada dos Pacaás Novos, na região oeste do Estado.

Na região sul do Estado encontra-se a Reserva Natural do Guaporé. O acesso à região é feito por barco. Dentro da reserva, a três dias de viagem da cidade de Guajará-Mirim, podem ser visitadas as ruínas do Real Forte Príncipe da Beira, construído no século XVIII pelos colonizadores portugueses.

Na culinária, são bastante consumidos os peixes amazônicos, o pão-de-queijo e a farinha mineira, a polenta paranaense, o churrasco gaúcho. Do Rio Grande do Sul também veio o chimarrão.

Escolha seu destino, encontre os melhores hotéis em Rondônia, monte seu roteiro e boa viagem!

#MaisDestinos; @MaisDestinos; #Turismo; #MaisDestinosRO; #Viajar; #Viagem;

Colunista

F. LopesO Estado é um mosaico de diversas culturas, tal modo que ainda nenhum traço cultural prevalece sobre o outro, devido ao grande número de migrantes, oriundos principalmente de São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná e Espírito Santo, além de outros países, como Bolívia, Líbano, Barbados e Japão.

A diversidade cultural de Rondônia é facilmente percebida através de seu calendário de festas, em que destaca-se o bloco carnavalesco Banda do Vai Quem Quer, fundada por Manoel Mendoça, o Manelão, e que reúne mais de 100 mil pessoas nas ruas da capital de Rondônia durante os festejos de Carnaval.

Outra festa de grande importância é o Arraial Flor do Maracujá, realizado a mais de 30 anos na cidade de Porto Velho durante as festas juninas e que representa a força da cultura nordestina na Capital do Estado, sendo também o segundo maior arraial do Brasil. Também durante as festas juninas, destaca-se o Festival Folclórico de Guajará-Mirim, em que as grandes atrações são as apresentações dos bois-bumbás, expressão da cultura amazônida na região, e para marcar a imensa força da cultura agropecuária oriunda das regiões sul e sudeste do Brasil há a realização de diversas festas de rodeio e exposições agropecuárias na maioria dos municípios do Estado, destacando-se a Expojipa, em Ji-Paraná e a Expovel, em Porto Velho.

Representando uma tradição iniciada dentro do próprio Estado de Rondônia, na cidade de Alto Paraíso é realizada todos os anos a Corrida Nacional de Jericos Motorizados, conhecida como Festa do Jerico, que consiste em uma corrida de automóveis chamados Jericos, cuja engenharia foi concebida por mecânicos locais para adaptar-se ao trabalho no campo e às maltratadas estradas de terra que existiam nos primórdios do Estado de Rondônia e que especialmente no inverno ficavam praticamente intrafegáveis, sendo superadas apenas pela força e versatilidade dos jericos feitos com engenharia amadora local, juntando peças dos mais diversos tipos de carro.

Quanto ao vocabulário, as influências também são diversas: em algumas cidades é bastante comum o uso do “guri” gaúcho, e em outras o “piá” paranaense. Na zona rural, entre os mais velhos, é bem usado o “tchê” tipicamente gaúcho. Nas cidades, entre os jovens, até poucos anos era usado o “piseiro”, gíria local com o sentido de festa, bagunça. Ainda hoje, os jovens usam o termo local “pocar”, que na maioria das vezes passou de pai para filho, e que pode ter dois sentidos: sair, ir embora (“amanhã eu vou pocar para o Amazonas”) ou, quando dito “pocado”, pode significar quebrado (“o carro já está todo pocado”). Esse uso é menos comum, e “pocar” não pode significar quebrar; apenas “pocado” é quebrado.

Colunista

Colunista

Porto Velho

Porto Velho
Norte > Rondônia

Porto Velho é a síntese da diversidade cultural do Estado de Rondônia e demonstra seu pluralismo através de seu calendário de festas
Ji-Paraná

Ji-Paraná
Norte > Rondônia

Conhecida por "Coração de Rondônia", devido à localização da cidade na região central do estado e à presença de uma ilha em formato de coração

Ambulância – Serviço Público de Remoção de Doentes 192
Corpo de Bombeiros 193
Defesa Civil 199
Polícia Militar 190

DDD: 69

Aeroporto 3623-0404
Agência Nacional de Saúde 0800-611997
Delegacia da Mulher 3623-3248
Disque-Ambulância 3623-1520
Disque-Saúde 3623-2141
Estação Rodoviária 3623-2233

Colunista

Nota Geral

Avalie-nos

Suas avaliações e comentários são importantes.

Nota Geral

  • 0
  • 0
  • 0
  • 0
  • 0
  • 0
  • 0
  • 0